Shipping Free at Orders > 99€          |        Portes Grátis em encomendas > a 99€         |       contact@goalkeepersportswear.com

Antes de tudo, o que definimos como a especialização precoce? Será que nos referimos a treinar bem, com boa intensidade, bons métodos e nos contextos de alto nível em qualquer faixa etária? Ou estará mais diretamente associado a forçar comportamentos impróprios para o momento da vida de determinado atleta?

Estará realmente o atleta preparado para ser submetido a trabalhos do patamar superior ao dele? Fará diferença no seu futuro?

Estamos a falar de antecipar processos naquilo que é a formação do guarda-redes. Exigir comportamentos de nível superior ao nível em que este se encontra por diversos fatores.

Na linguagem do dia a dia, estamos perante um cenário de saltar etapas tendo em vista aumentar a complexidade e a exigência do treino. (Fará sentido exigir uma especialização psicológica e ou de foro tático) a um guarda-redes em processo de formação técnico?

Se é treinador ou encarregado da educação de um guarda-redes, deixamos-lhe uma questão. Considera existir consequências negativos da especialização precoce?

Diversos artigos comprovam que existem consequências da especialização precoce quando não controlada ou ministrada sobre regras bem definidas.

Poderemos estar perante situações em que os guarda-redes, pelo facto de estarem submetidos a um treino mais exigente, mais complexo e mais rigoroso, ficam sujeitos a:

  • um maior risco de lesões e problemas no que diz respeito à mobilidade ou amplitude
  • um desgaste físico superior ao esperado e difícil de prever ou calcular
  • uma afetação direta no rendimento cognitivo que por sua vez poderá influenciar o rendimento escolar podendo inclusive provocar o abandono dos estudos
  • uma exposição emocional e psicológica que poderá causar a aparição de medos ou outras emoções negativas diretamente associadas à pratica do futebol como guarda-redes.

Por estes e outros fatores, a especialização precoce implica que o atleta esteja a ser submetido a um trabalho físico, técnico, tático e psicológico de maior exigência comparado com aquilo que seria adequado para ele em determinada faixa etária ou idade biológica.

O processo de formação de guarda-redes é tanto ou mais completo e sustentado quando respeita as etapas de formação física e mental do atleta. Existem traços biológicos que devem ser respeitados  a todos os níveis tais como as fases de maturação humana, psicológica e fisiológica. Todos estes fatores devem ser desenvolvidos a um ritmo normal consoante as capacidades do atleta.

Nos guarda-redes será que a especialização precoce pode relacionar-se com o abandono?

No que diz respeito aos guarda-redes, por norma, o que todos os guardardes desejam é desafios de grau de dificuldade superior, remates mais fortes, mais rápidos, mais exigentes. Por essas razões, todos desejam estar no nível mais acima possível em relação à sua faixa etária.

Certos guarda-redes podem sentir dificuldades que provocam o abandono da posição ou o receio de estar perante um nível de dificuldade superior desejando assim regressar ao patamar onde estavam anteriormente.  Além das dificuldades inerentes a esta prática num patamar superior podem surgir traumas, lesões ou outras situações especificas difíceis de ultrapassar nos tempos posteriores.

É extremamente relevante que os mentores, treinadores ou encarregados de educação saibam assumir realmente o papel de formadores com as devidas competências.

  • O respeito pelo atleta, fazendo-se ouvir e permitindo a sua opinião, e pelas fases de maturação do mesmo é um elemento fundamental
  • A existência de conflitos internos e externos ao facto do atleta estar num patamar acima da sua idade são fatores que requerem bastante atenção. É necessário saber gerir todos eles.
  • O treino deve ser adaptado a nível funcional e cognitivo de acordo com a etapa de desenvolvimento do atleta. Existem limites a ser respeitados a todos os níveis (físicos, psicológicos e cognitivos).
  • (Não esquecer nunca, em momento algum, a formação académica do atleta). A estimulação mental poderá afetar todo o restante percurso e rendimento.

O guarda-redes pode ser sujeito a um trabalho de maior qualidade, rigor e exigência mas deve sempre estar num ambiente controlado e que não coloque em causa a sua evolução natural. A existência de situações inesperadas ou traumas poderá afetar o seu rendimento posteriormente. É muito importante o processo de formação ser administrado por pessoas com consciência de que o atleta, antes de ser um atleta é um humano com fases naturais de evolução. De nada adianta pedir a uma criança que domine o jogo aéreo se esta não possuí ainda habilidades de leitura de tempo e espaço. Eventualmente terá sucesso tecnicamente mas poderá estar a prejudicar a sua prestação por não apresentar uma elevada taxa de sucesso nas suas ações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: © Pedimos desculpa. Todos os direitos reservados!